O ensino do francês no mundo a partir dos relatórios da Organização Internacional da Francofonia (OIF) [fr]

A cada quatro anos, o observatório da língua francesa da OIF publica um relatório sobre a situação do francês no mundo. Esses relatórios, cujo último número foi publicado em 2014, procedem de um trabalho de pesquisa e análise de dados realizado por peritos internacionais. Apresentam dados precisos sobre os usos do francês, sobre seu ensino, sobre o lugar que esta língua ocupa na mídia, na internet, nas organizações internacionais, nos intercâmbios econômicos, etc.

JPEG

Os alunos de francês

Cerca de 49 milhões de pessoas no mundo estudam o francês como língua estrangeira, o que representou um crescimento de 6.5% do número de alunos em quatro anos (entre 2010 e 2014). Fora da Europa, a progressão por continente ultrapassa 43% na África subsaariana, Oceano índico e Ásia, 6% na África do norte e Oriente médio e 2.5% na América e Caribe. Alguns países conhecem crescimentos superiores a 30%: este é o caso de Angola, Moçambique, Costa Rica, China ou Índia. O número de alunos e estudantes passou do milhão em países como Argélia, Alemanha, Canadá (fora o Quebec), Espanha, Estados-Unidos, Índia, Itália, Marrocos, Nigéria, Romênia, etc.

A motivação dos alunos

Os motivos pelos quais os alunos decidem estudar francês dependem muito do contexto. O estudo realizado sobre a China mostra que, naquele país, o desejo de cursar estudos numa universidade francófona é determinante para escolher o francês. Esse é também o caso do Brasil, onde o número de alunos é estimado em mais de 200 000 e onde a França é o terceiro país mais procurado para uma mobilidade estudantil. Segundo a agência governamental Campus France, que é responsável de promover o ensino superior francês, três mil e setecentos Brasileiros obtiveram um visto de estudante em 2015 (sem contabilizar os estudos de uma duração inferior a três meses para os quais esse documento não é necessário).

Os estudantes estrangeiros na França

Na França, o custo do ensino superior – que é avaliado em aproximadamente 10 000 euros por ano e por estudante – é arcado pelo Estado francês seja qual for a nacionalidade do beneficiário. Os gastos de inscrição, bem mais baratos que no Reino Unido ou nos Estados Unidos, fazem parte dos mais baixos da Europa. Em 2013-2014, havia 295 100 estudantes estrangeiros na França, ou seja um de cada oito estudantes. Os Africanos representam quase a metade dessa população, enquanto a proporção de Americanos e Asiáticos cresce rapidamente. As três quartas partes dos estudantes estrangeiros na França frequentam as universidades. Proporcionalmente, eles são mais numerosos em máster (18%) e em doutorado (41%) que em primeiro ciclo universitário (11%). Em dez anos (de 2003 a 2013), os estudantes estrangeiros contribuíram praticamente com uma terceira parte ao crescimento dos efetivos do ensino superior francês.

O nível de francês requerido pelas universidades francesas

Cada estabelecimento de ensino superior, que é autônomo, decide sobre o nível requerido. Geralmente, as carreiras de ciências humanas e sociais exigem um nível mais elevado (B2, e até C1) que as carreiras científicas (B1).

Fontes:

http://www.francophonie.org/Langue-Francaise-2014

http://publication.enseignementsup-recherche.gouv.fr/eesr/8/EESR8_ES_13-les_etudiants_etrangers_dans_l_enseignement_superieur.php

publicado em 05/05/2016

início da página